sexta-feira, 5 de junho de 2015

Melatonina, querido Hermengardo


    O toque do meu colégio é igual ao de uma prisão, dispensando ironias. Não é loucura, só adquiri a habilidade de entender tudo o que meu professor de química diz ao contrário e estou surpresa com o quanto gosto dessas novas/velhas/novas companhias. Minha mente funciona como a melatonina; no escuro, processando as informações das últimas 24 horas - motivo pelo qual a melatonina não funciona muito bem em mim. A aula de sistema endócrino está um arraso e quero tanto deixar essa cela. Liberdade tem gosto de torta de frango. Job parece Jesus. Melatonina porque acho importante contribuir com a educação brasileira mesmo através de gestos singelos como este texto. Estou louca para ler um romance chamado A paixão segundo GH cujo enredo gira em torno de uma cascuda barata idosa. Insônia é o hodierno eufemismo para adolescência. Amor dor essência. Isso estabelece relação com melatonina. Pesquise. Não vou te obrigar. Eu apenas me infligiria a tarefa de te obrigar a fazer duas coisas: me comprar chocolate ou alimentar minhas inclinações narcisistas nos comentários. Sou do tipo de pessoa que adoece como quem se apaixona. Terminei O Morro dos Ventos Uivantes, porém ele nunca terminará em mim. Catarina - Earnshaw/Linton/Heathcliff - é única. Há certa familiaridade reconfortante na sua relutância em abandonar as centelhas de nobreza da própria covardia. "Estás vendo, amor, como se pode chegar a um grau de desgraça tal em que se ama a própria ferida". (Mel)atonina - gostei da (mel)odia da palavra. Mel a menina, mel o dia. Tudo mel, seu, nosso. Doce é meul. Tenho pena de Heathcliff desde o início. Do seu egocentrismo privado de amor próprio. Perdi meu ex-futuro priminho(a). Lágrimas e chuva. E catarina é única. Ela e Hareton transpuseram paulatinamente as respectivas muralhas de orgulho abismal e tornaram-se um casal maravilhoso.  "Olha, quando ouço música me alegro, mesmo sem saber por quê. Pois bem, eu estava sofrendo mesmo sem saber por quê...". Também sou a metade de uma laranja com caroços de orgulho, Nelly. Perco o sono e choro. Liberdade tem gosto de torta de frango. "Não posso ser tão orgulhosa que pense ter a chuva parado porque Deus quis abençoar minha redenção. Mas eu sinto que essa é a verdade, aí está. E é por isso, meu rei, que eu beijo teus cabelos e tuas mãos. E sinto-me tão agradecida e feliz que é mesmo possível que eu te mande um dia todas as cartas que te escrevi." (Cartas a Hermengardo). É mesmo possível. 







Ninguém me vê.





Não tem mistério não


Me diz se assim está em paz
Achando que sofrer é amar demais...



quinta-feira, 4 de junho de 2015

Que bizarra aquela moça




    Aquela moça lá é muito estranha. 
    Esquisita. Só fala, não grita. Não corre, anda, Não leva, traz. Não tenta, faz. Não dá, entrega. A se enganar, se nega. Se não quer, é cega, 
    Aquela moça é diferente, tão avoada, ela, nem parece gente. 
    Mas quem olha dentro dela se assusta com o quanto que ela é assim, somente. Mas que não mede, gente. 
    Ela sente, sente, sente
   Que bizarra, aquela moça. Carrega um ar cansado, mas alegre. Estranhamente sã ela caminha pela rua. Parece do mundo, não é dela, nem minha, nem sua. Tem uma cara de quem tem um corpo, mas é um coração. Que estranha aquela moça lá.
    Toda contradição. 


- Clarice Freire